As 5 dicas mais básicas de SEO que você precisa saber

O sonho de todo negócio no ambiente online é ter o site em primeiro lugar no Google.

Essa é uma conquista muito importante, mas que não acontece da noite para o dia. Não há fórmula mágica que faça isso, mas há algumas técnicas que podem contribuir e fazer com que você chegue ao topo.

O conjunto dessas técnicas é denominado SEO (search engine optimization ou otimização para os mecanismos de busca).

1. Título

Diferentemente do que se costuma pensar, o título, em termos de SEO, não se refere ao título do conteúdo em si (um artigo, por exemplo) ou da própria página em questão.

Lembre-se de que a ideia de otimização para motores de busca é facilitar a comunicação entre a página e o buscador, portanto o título está atrelado ao código fonte do site.

Quando esse elemento é identificado pelo Google, ele aparece nos resultados de busca e na aba do navegador (quando o usuário clica no link).

Esse primeiro fator nos leva a obedecer ao limite de caracteres exibidos pelo buscador — no Google, esse limite é de 70, porém, recomenda-se utilizar em torno de 63 caracteres — para a mensagem não ficar “quebrada”.

Devido à importância do título para SEO, sobretudo para que o buscador identifique a relação da página com os termos pesquisados pelo usuário, é imprescindível atentar-se a outros detalhes:

  • Formule títulos usando poucas palavras, assim, as palavras-chave terão mais valor;
  • Evite ocupar o espaço para acrescentar elementos que não ajudam a descrever a página, como slogans ou frases desconexas;
  • Use as palavras-chave principais no início do título.

2. URL

e certa maneira, as mesmas recomendações para a formulação de títulos valem para as URLs (Uniform Resource Locator ou Localizador Uniforme de Recursos). Ou seja, todos os caracteres que representam o endereço da página de hospedagem de site da f5 network (que é https://www.f5network.com.br/hospedagem-de-sites).

A recomendação é sempre inserir a palavra-chave na URL e mantê-la curta.

Alguns site não cuidam desses aspecto e deixam as URLs como um código do tipo site.com.br/co02462ss8895 ou /p=94430 ­— URLs como essas são muito frequentes.

Porém, isso pode (e deve) ser modificado para que o buscador identifique a sua relação com o conteúdo da página e com os demais elementos influentes.

3. Meta-descrição

Já aconteceu de você fazer uma pesquisa no Google e nenhum dos resultados apresentar uma descrição consistente, evidenciando o que encontraria em cada página?

Isso é um problema que afeta a experiência do usuário, pois a falta de uma pequena introdução que esclareça o conteúdo existente na página não transmite a ele segurança, tampouco o convence a clicar.

O meio de evitar que seu site protagonize esse tipo de situação é a utilização da meta-description, que é justamente aquela pequena descrição localizada abaixo de cada resultado de pesquisa orgânica.

Para SEO, a meta-description não tem peso direto. Independentemente do que estiver (ou não) escrito, o posicionamento do site no ranking não será afetado. No entanto, pense na meta-description como, por exemplo, os cartazes e placas informativos colocados na entrada de um restaurante.

Ter a fachada atraente e estar bem localizado são dois pontos cruciais para o sucesso, porém, o restaurante torna-se ainda mais receptivo quando coloca uma placa (a popular lousa) ou cartaz, em que são descritos os pratos do dia, preços, promoções e outras informações relevantes para o cliente.

A meta-description tem uma função similar, visto que o site pode estar bem posicionado e com um bom título, mas sem uma descrição chamativa e capaz de convencer o usuário a acessar o site.

Quer caprichar na meta-description do seu site? Então fique atento aos seguintes detalhes:

  • A descrição deve conter, no máximo, 160 caracteres;
  • O conteúdo tem que ser breve, informativo e convidativo;
  • Usar call-to-action (CTA) é uma boa maneira de guiar o usuário.

Além disso, uma boa descrição pode aumentar a sua taxa de cliques nos resultados de pesquisa, o que é nesse caso um importante fator de ranqueamento.

4. Imagens

É verdade que o algoritmo do Google ainda não consegue interpretar o conteúdo de uma imagem fazendo raios X do elemento gráfico. Sendo assim, o que torna a busca por imagens algo possível?

Mais uma vez a resposta está nos textos; é a parte escrita que exerce a função de fornecer uma descrição sobre as fotos, assim, trazendo a informação que o robô (indexador) necessita para fazer suas correspondências com os termos pesquisados.

Portanto, quando falamos sobre estratégias de SEO, devemos pensar nas imagens a partir dos seguintes aspectos:

  • Nome do arquivo de imagem;
  • Contexto em que a foto está inserida;
  • Texto alternativo.

O nome do arquivo de imagem deve fornecer uma descrição que, por sua vez, deverá se enquadrar no contexto, isto é, no posicionamento dela no conteúdo — a proximidade fará com que o buscador a relacione com o artigo.

Já o texto alternativo (ALT text) age como uma espécie de legenda para a imagem, assegurando que, caso ela esteja nomeada como “DSC281189”, o texto alternativo (exemplo: “urso pardo caçando peixes”) permita que a foto seja encontrada na pesquisa de imagens.

5. Cabeçalhos (Headings)

Por fim, os cabeçalhos do texto — mais conhecidos na área como headings — aplicam-se à estrutura do código fonte da página, indicando como determinados trechos do texto devem ser priorizados.

Num artigo convencional, é comum que a estrutura seja formada por 3 ou 4 escalas de prioridade (<h1>, <h2>, <h3>…), porém, é possível aplicar, até mesmo, 6 cabeçalhos para que a parte mais importante do conteúdo não saia do foco, tanto para o leitor quanto para o próprio Google.

Para melhor compreendermos como as headings são usadas em SEO, vamos supor que um post fale sobre um assunto amplo, o qual passará por uma pequena desmembração para que alguns detalhes importantes não passem em branco.

Logo, o título deve ser colocado com prioridade alta (H1), enquanto os subtítulos que se referem diretamente ao tema principal devem ser colocados como H2, e os subtítulos ligados ao H2 devem ser apresentados em H3 — e assim por diante.

Além de tornar a leitura mais fácil e objetiva, os robôs dos buscadores terão mais facilidade e precisão para retornar ao usuário os resultados que melhor condizem com os termos usados na busca.

Esperamos que essas dicas básicas de SEO tenham ajudado você a compreender melhor o funcionamento das técnicas, bem como a forma de aplicá-las imediatamente em seu site!

F5 Network

F5 Network

Hospedagem de Sites com planos que cabem no seu bolso.

Deixe um Comentário

Confira nossas Hospedagens
de sites com todas essas vantagens

Por apenas:

R$ 10,00/mes*

Rolar para cima